Fatos, Galeria, Molly

1 mês no Reino Unido

2 agosto, 2015 • By

Sempre achei que um dia a rotina iria matar este blog. Que logo o diferente iria perder o brilho e com isto a motivação para continuar escrevendo.

Mas não.

A ausência de novos artigos neste blog se dá justamente pelos motivos opostos. É pelo excessos de atividades que fogem completamente da vida que eu levava no brasil que não estou tendo tempo de escrever neste blog.

No campo profissional, venho sido treinado todos os dias em processos de trabalho que enquanto eu vivia no Brasil eram apenas teorias. Quando chego em casa trato de estudar para me aperfeiçoar. Desde estudar áreas que são meus pontos fracos, como me aplicar em lições para aprender a digitar mais rápido.

A Guacyra já me chama de Lulu digitadora. Chego em casa e fico digitando feito um imbecil. Pareço uma galinha cega tentando ciscar milho no chão. Digito 1 palavra por minuto, uma vergonha.

Porque tudo isto? Porque eu tenho 10 dedos e hoje, como a maioria das pessoas no mundo, apenas digito com 4. Preciso desaprender como digito e aprender novamente.

O lado pessoal é ainda mais diversificado. Nos finais de semana geralmente estamos indo a parques onde a Molly causa nadando onde não deve ou roubando bolas que não lhe pertencem. Mas este final de semana foi ainda mais diferente.

Como caipiras vivendo no interior, resolvemos visitar a cidade grande. Passamos o sábado em Londres.
Tiramos fotos, andamos pelos bairros mais famosos e visitamos o museu de bonecos de cera.

Domingo ainda mais diferente. Para orgulho da minha mãe viciada em plantas, virei um jardineiro para poder sobreviver.

Desde que nos mudamos para esta casa uma curiosa planta resolveu aos poucos encobrir nossa janela. No começo foi bom. Ela nos ajudava com o tormento de ter que viver em um país onde no verão o sol nasce as 4 da manha. Mas aos poucos fomos ficando com medo. Seus tentáculos já estavam dentro de casa.

Hoje dei um basta. Arregacei as mangas, peguei a escada e decepei o bicho. O sol novamente penetra meu quarto.

Um dia ainda vou acordar e achar que meu dia não teve nenhuma novidade, mas posso dizer que este dia está longe. Mesmo estando aqui já faz um mês, a simples tarefa de ir ao supermercado ainda é algo que eu encaro como uma aventura.